quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Volta às aulas 2017

Crédito do painel: http://3.bp.blogspot.com

A volta às aulas dos filhos é sinônimo de lista de material escolar. Vale ressaltar, que a lista sempre é bem extensa, e cabe aos pais, tomarem cuidado, pois muitas escolas continuam incluindo itens que não podem fazer parte das solicitações. 
É importante conhecer os itens que a escola não pode exigir na lista de material escolar. Em caso de abusos, os pais devem procurar o PROCON e registrar a reclamação junto à instituição. 
De acordo com o PROCON, a mensalidade das escolas já abrange os gastos com luz, materiais de escritório, telefone, professores, materiais administrativos, limpeza e conservação da escola e sendo assim não pode cobrar taxa extra dos pais dos alunos para execução desses serviços. 
A escola também não pode determinar os locais de compra dos itens da lista, nem tão pouco a marca dos produtos. A compra de produtos na própria escola pode até ser oferecida como uma opção, mas não exigência. As sobras do material escolar como cartolina e papel ofício, devem ser devolvidas aos alunos no final do ano. 
Veja abaixo alguns itens que não podem constar na lista de material escolar: 
- Material de higiene: Papel higiênico, sabonete, papel toalha e artigos de higiene pessoal. 
- Itens de limpeza: Esponja, detergente, álcool, desinfetante, água sanitária e outros produtos usados na limpeza dos banheiros e cozinha da escola não podem constar na lista. 
- Artigos utilizados na área administrativa: Folha de ofício, cartucho para impressora, clips, grampos para grampeador, CDs e DVDs e outros materiais de escritório são proibidos. 
- Material para a sala de aula: Apagador, pincel atômico, giz de quadro, fita adesiva, papel ofício colorido, balões de festa ou fitas decorativas também não podem ser exigidos pela escola. Quando forem desenvolvidas atividades específicas podem solicitar aos pais. 
Pai e mãe, não precisam ficar constrangidos em reclamar da lista de material escolar de seus filhos. Procurem a diretoria da escola e peçam explicações sobre itens abusivos.
Para evitar abusos, a Lei Federal nº 12.886/13 deixa claro que cobrar do aluno material de expediente ou de uso coletivo é abusivo, pois estes já estão inclusos nas mensalidades escolares. 
Você pode entregar o material no transcorrer do ano letivo. Isso mesmo! É uma possibilidade conferida por lei visando amenizar o impacto financeiro no orçamento dos pais de alunos, com relação aos materiais que só serão utilizados em períodos futuros, conforme plano de execução a ser fornecido pela escola.
Fique atento!
São Lourenço - Nessa quinta-feira voltam as aulas alunos das redes municipal e estadual de ensino. As escolas particulares assim como as creches municipais voltaram hoje, dia 1º de fevereiro. Pela primeira vez os professores da Rede Municipal de Ensino voltaram um dia antes do início das aulas. Foi uma grande vitória da nova Secretária Municipal de Educação, Professora Leila Palma.
Outra grande novidade é que a nova Secretária Municipal de Educação acabou com as reuniões pedagógicas semanais. Elas passam a ser quinzenais em São Lourenço. É uma forma de compensar as regras do FUNDEB, não seguidas na administração anterior. Alguns professores comentam que o lema da secretaria agora é: "A Educação é nossa"! Reflexos de um gerenciamento de aproximação com o magistério que a prefeito Célia Cavalcanti quer e que a secretária municipal Leila Palma vem aos poucos implementando.
O Transporte Escolar volta a funcionar com força total na segunda-feira dia 06 de fevereiro. Segundo o responsável pelo setor, Edenil Francisco Maciel, 11 vans e ônibus estarão transportando os alunos a partir da próxima segunda-feira. Edenil garante que todos os carros da frota escolar passaram por revisão e estão aptos para o serviço. Na quinta e sexta o transporte escolar não funcionará para que os pais conheçam as escolas, direção e professores de seus filhos para o ano letivo de 2017.   
Para variar, o bairro Palmela é a grande curiosidade deste ano. Como senão bastasse a questão de divisas entre municípios, mais um ingrediente entra para apimentar a dúvida sobre a quem pertence o bairro: As superintendências de ensino de Caxambu e Itajubá também fazem divisa no bairro e por isso há uma orientação que os alunos que estudam em São Lourenço e moram no bairro considerado por muitos como uma faixa de Gaza, pelo fato da disputa de São Lourenço e Carmo de Minas sobre o território, embarquem onde o ônibus da empresa circular São Lourenço faz a curva, na Mercearia do Guedes.
A Secretaria de Educação de São Lourenço informa ainda que existem vagas para esse ano ainda. Tudo depende da lei de zoneamento escolar. Para isso os pais têm até a próxima sexta-feira, (03/02), para procurar a Secretaria Municipal de Educação que funciona no São Lourenço Velho a fim de verificar se o aluno obedece às regras para usufruir do transporte escolar. O horário de atendimento é das 7 às 18 horas no bairro São Lourenço Velho, no antigo hotel Cruzeiro do Sul.








       

0 comentários:

Postar um comentário