quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Batalha de Itamonte completa três anos

Desde então roubo a bancos na região cessaram
Editorial

Policiais civis reunidos após o combate na "Batalha de Itamonte"

Foi uma cena digna de filme de guerra. Um enredo com os ingredientes de dissimulação, serviço de inteligência e porque não dizer dúvidas. Até porque três anos depois de uma das maiores batalhas envolvendo Polícia e bandidos na região do Circuito das Águas e Terras Altas da Mantiqueira havia uma dúvida. Só se sabia o dia. 22 de fevereiro de 2014. Mas havia uma incerteza sobre o local: Itamonte ou Itanhandu. 
Somente as duas horas da manhã do dia 22 de fevereiro de 2014 certificou-se que o lugar a ser atacado seria Itamonte. Observadores da Polícia Civil de São Paulo e Minas Gerais viram um comboio com sete carros na serra de Itamonte com as placas cobertas seguindo em direção à cidade que em novembro de 2013 já tinha recebido a visita da mesma quadrilha. A adrenalina começou a subir quando avistou-se o comboio.
Por volta de 2:15 horas daquela madrugada, numa frieza calculada começou a ser desenvolvida a ação integrada das forças de segurança. As polícias Civil de MG e SP foram para o enfrentamento. A PMMG ficou na retaguarda protegendo o lado de Pouso Alto para cá, sentido São Lourenço. Era noite de carnaval antecipado em Pouso Alto. E sem saber os foliões naquela cidade se esbaldavam enquanto ocorria um enfrentamento sem precedentes em Itamonte.
O cenário de Itamonte foi exaustivamente estudado. Atiradores de elite posicionado em locais privilegiados com cobertura de mira de 180 graus. Havia uma certa brisa e um pouco de frio na hora do combate. E esses dois fatores interferem em muito na mira e no tiro de precisão dos treinados atiradores de elite.
O armamento apreendido e levado para Belo Horizonte era de impressionar. Fuzis sendo que alguns possuíam mira a laser. Pistolas e revólveres calibre .38. Bananas de dinamite que eu nunca tinha visto de perto e nem imaginava como era. Coletes à prova de balas e balaclavas simulando a vestimenta dos policiais civis. Os verdadeiros policiais civis de MG e SP para se diferenciar dos bandidos não usaram balaclava durante o combate. Era a única maneira de se diferenciar os bandidos dos mocinhos.
Chegou a acontecer a explosão de um caixa eletrônico. Esse seria o sinal para o contra-ataque da Polícia Civil. Foram três frentes de batalha no teatro de operações de Itamonte: na Praça Central em frente à igreja, na esquina que corta a cidade (BR-460) onde os ladrões tentaram sitiar o quartel da PMMG e no radar da rodovia BR-460.
Em um carro pelo menos cinco bandidos foram abatidos na praça central. Dos ladrões que sitiaram o quartel da PMMG, um ladrão foi abatido com um tiro de precisão noturno disparado a 175 metros de distância. E na BR-460, próximo ao radar, um caminhão foi atravessado na rodovia para evitar a fuga. Ao se depararem com o bloqueio os ladrões tentaram dar a volta. Mas estavam cercados. E ali, naquele local, houve o enfrentamento mais feroz.
Hoje, se sabe com certeza, que houve uma vítima o que é chamado de efeito colateral. Pelo que se fala esse rapaz foi rendido quando saía da casa da namorada. Seu carro foi levado também. O carro da vítima se diferenciava dos bandidos, pois não tinha as placas tampadas. E nem ele usava as roupas iguais às dos bandidos. Mas foi impossível perceber isso na hora do fogo, pois a região era escura. O rapaz, trabalhador, irmão de policial militar da reserva com relevantes serviços prestados à corporação foi rendido e usado como escudo pelos bandidos o que acabou o levando a morte. Um trágico incidente que não havia como se prever.
O saldo dessa batalha foram nove bandidos mortos, um policial civil de São Paulo ferido por tiro de fuzil no braço e um inocente morto. Que poderia ter sido pior. Um policial civil de Minas Gerais teve uma pane em sua pistola .40 e foi salvo por um companheiro seu que portava um fuzil. Foram momentos de tensão e de muita apreensão. Pelas imagens do assalto de Passa Quatro onde essa mesma quadrilha atuou e além de assaltar dois bancos metralhou o Posto da PMMG foi possível ver imagens gravadas da atuação da quadrilha. O avanço tático dos ladrões impressionavam além da frieza e como manuseavam o armamento pesado com exímia precisão. Em Passa Quatro, PMs não morreram pois um policial militar saiu de sua casa e foi para o enfrentamento sozinho com os bandidos dando tempo para que os policiais militares sitiados conseguissem reagrupar e conseguir revidar os disparos. Esse policial, que não estava de serviço, em ato heróico salvou seus companheiros e ainda foi ferido com um disparo de pistola na perna.
Na verdade, foram heróis todos os policiais civis que estiveram na frente de combate. Não há mais nem menos. Todos tiveram atuações perfeitas e eliminaram uma quadrilha perigosa que teve como gota d'água toda essa situação ao assaltarem um agência de banco em Piracaia (SP) onde deixaram duas pessoas feridas.
O Blog São Lourenço News foi o primeiro veículo de comunicação a chegar em Itamonte. Fomos avisados por uma ligação anônima às 3:50 horas, iniciando o deslocamento rapidamente. O quadro encontrado em Itamonte era de grande apoio da população aos policiais civis e militares. Todo o comando do 57º BPM foi para o local. O delegado regional acompanhou de perto toda a situação. A Polícia Civil paulista também deslocou seu Delegado do GARRA para Itamonte.
Dentro das técnicas de monitoramento de acesso que todos os blogs e sites possuem houve uma verdadeira avalanche de acessos de cidades como São José dos Campos, Jacareí, Mogi das Cruzes, Guarulhos e Osasco, o que levantou muitas suspeitas.
Nessa data, em que se completa três anos da "Batalha de Itamonte" fica a homenagem e o reconhecimento a todos os policiais que participaram da ação. Muitos reclamam da Polícia, seja ela Civil ou Militar, mas quando se encontram em perigo clamam pela presença das mesmas. O mais importante é que podemos acreditar (por mais que se fale não a eles) que eles são essenciais à nossa segurança e que jamais podemos duvidar da importância e presença deles.



     








0 comentários:

Postar um comentário